terça-feira, 4 de novembro de 2008

S.


Talvez isso seja o que mais me assusta. E o pior é que eu não devia... eu não queria estar me sentido assim, não agora. Eu nem tenho motivos reais pra me sentir desta forma. Eu só queria poder acreditar no que eu preciso, mas não me deixam. Uma palavra, uma frase. Foi o bastante.
-Você vai ficar/estar sozinha, de qualquer forma.
Ótimo! Era basicamente tudo que eu queria ouvir. Obrigada, de verdade! Afinal, eu não me importo nem um pouco com meu futuro. Se eu estarei ou não sozinha. Não vai fazer diferença. Não vou sentir falta. Um bom livro, uma boa cadeira; é tudo o que vou precisar.
Mas além disso, acho que também vou precisar aprender a mentir melhor...

2 comentários:

Samara disse...

sabe...eu até diria que um bom livro me bastaria....mas já percebi que tenho medo da Solidão...Nietszche adorava a solidão é foi um grande homem...mas não sei se quero ser uma grande mulher ou uma mulher feliz?

uma coisa para pensar!

David Parker disse...

Eu já passei por um dilema assim. Descobri que uma vida sem amigos é muito sem graça e, por vez, desestimulante. Unir o útil ao agradável é escolher o caminho do meio. Que tal?
Motivos reais? A nossa mente nos engana, tornando a realidade em ficção ou vice-versa.