sexta-feira, 18 de julho de 2008

Algumas coisas podem/devem ser evitadas...


O telefone tocou.
Meio hesitente, foi tirado do gancho e o silêncio foi quebrado por um ''alô'' quase imperceptível. E a voz do outro lado, que a tempos atrás seria reconfortante, dessa vez soou como uma penitência, a lembrança de coisas que deveriam ser trancadas em quartos escuros, pra sempre. Mas agora já estava feito. A paz que a estava sondando a dias, quase meses, foi arrancada e o seu coração que a minutos antes pulsava num ritmo aparentemente normal, agora estava completamente descompassado.
Deveria ter deixado que tocasse, tocasse, tocasse. Incansavelmente. Porém, não o suficiente pra fazer-lhe atender.
Só que não o fez.
E o tempo já estava tarde a essa altura.